Aqui a palavra de ordem é a Liberdade de Expressão!!!

Bem vindos ao COTIDIANO, um blog criado para ser mais uma ferramenta alternativa de comunicação, tendo como intuito colaborar para a troca de opiniões em torno de assuntos pertinentes da sociedade, partindo do pressuposto da liberdade de expressão.

VISUALIZAÇÕES

quinta-feira, 28 de dezembro de 2017

CARAÍBAS: MUITA FESTA E ALEGRIA NO LANÇAMENTO DO CD "TERNO DE REIS DA BARRAGEM DE ANAGÉ E CARAÍBAS: NOSSA CULTURA, NOSSA IDENTIDADE"

Aconteceu no último sábado (23/12) na capela da comunidade Santo Aníbal Maria di Francia, no povoado de Veredinha em Caraíbas, o lançamento do CD “Terno de Reis da barragem do rio Gavião: Nossa Cultura, nossa Identidade.”
Centenas de pessoas prestigiaram essa bonita festa que foi antecedida por uma celebração eucarística presidida por Padre Paulo Ferreira, oficialmente a primeira missa celebrada na capela da comunidade, em fase final de construção. Foi uma noite de muita emoção e alegria em ver a preservação de uma cultura tão importante para a região, em tempos de uma “contracultura” e um intenso apelo ao que nos afasta de nossas tradições, algo refletido no dia pelo cantor e compositor Hélio Marinho, filho e neto de foliões de reis. Helio foi um dos idealizadores do evento e autor da iniciativa da gravação do CD.

Um dos homenageados da noite o Sr. Manoel , conhecido como “Mané Pio”, se emocionou ao ser lembrado como um dos pioneiros dessa cultura que atravessou gerações e que se mantém viva e animada em nas comunidades de Anagé e Caraíbas.


Parabéns a todos os foliões e aos que ajudam a manter e perpetuar a belíssima cultura da folia de Reis.











domingo, 10 de dezembro de 2017

MORADORES DA COMUNIDADE SANTA CLARA EM CARAÍBAS RECLAMAM DE LIXO DEPOSITADO IRREGULARMENTE EM ESTRADA QUE DÁ ACESSO A LOCALIDADE

Os moradores da comunidade Santa Clara no município de Caraíbas estão preocupados e indignados quanto à situação de desrespeito e completo descaso para com o meio ambiente verificado por meio do descarte irregular de muito lixo e entulho às margens de uma das estradas que dá acesso a localidade. Na manhã deste domingo (10/12) uma comissão de moradores esteve no local para verificar a situação e assim encaminhar denúncia aos órgãos competentes, de modo que o problema seja solucionado.

Ao lado do referido local também passa um pequeno córrego que deságua na barragem do rio Gavião, água que serve não somente a população local, mas a todo o município de Caraíbas assim como de Anagé. O blog COTIDIANO também esteve em loco e constatou a grande quantidade de lixo depositado, entre os quais, alguns em potencial para o criadouro do Aedes aegypti, o popular mosquito da dengue, bem como animais em estado de putrefação.


Segundo os moradores não se sabe ao certo quem são os responsáveis pelo crime ambiental, porém a região é constituída de vários sítios e casas de veraneio cujos proprietários residem em outras cidades, levando a crer, até mesmo pelo tipo de alguns materiais ali depositados, que tal prática seja comum entre alguns dos referidos sitiantes.
Derivaldo Ribeiro, uma das lideranças da comunidade afirmou que será encaminhado ofício acrescido de um abaixo assinado à Secretaria Municipal de Meio Ambiente para que se possam notificar e responsabilizar os autores, assim solicitar a remoção da sujeira.

É válido observar e de forma lamentável, que por várias partes do município (em áreas rurais) se verifica esses pequenos lixões sem nenhum tipo de fiscalização, o que denota o quanto também as autoridades locais têm se importado pouco com essa questão que é bastante séria e que está diretamente ligada a qualidade de vida dos moradores e principalmente à conservação e proteção do meio ambiente.

segunda-feira, 20 de novembro de 2017

"AFRODESCENDER": PEQUENA REFLEXÃO SOBRE O DIA DA CONSCIÊNCIA NEGRA

Hoje, 20 de Novembro, é dia de assistirmos, lermos e ouvirmos inúmeras homenagens rendidas à população afrodescendente de nosso país em função do dia em que se comemora a Consciência Negra.  Isso é louvável por que ao menos assim as emissoras de rádio e TV e as redes sociais massificam um tema tão necessário de ser debatido, embora o que se veja em algumas das referidas informações, estejam carregados de clichês e de uma hipocrisia que esconde a segregação explícita a que verificamos em nosso dia a dia.

A morte de Zumbi dos Palmares no dia 20 de novembro de 1695 é lembrada como o marco da luta contra a abominável pratica da exploração do homem pelo homem por intermédio da escravidão, que, por conseguinte gerava discriminação, agressão e morte. E hoje, o que representaria o tombamento do maior líder do Quilombo doa Palmares? Sem dúvida já ouvimos falar e acertadamente, de que a escravidão não fora de fato abolida em fins do século XIX aqui no Brasil, e que a luta dos negros continua incrustada nas inúmeras situações de divisionismo, agressão, abuso e todo tipo de insulto a que essas pessoas são submetida a cada instante.

O pior tipo de preconceito e segregação é aquele velado, manso, escondido nas bonitas peças publicitárias veiculados por uma mesma mídia elitista, mídia essa que trata o negro como subalterno em sua grade de programação. O discurso meio vago da tolerância tem que ser substituído pelo o do respeito, haja vista que tolerar, segundo o significado etimológico do termo, provém de: aceitar, permitir, suportar, e assim sendo, só se tolera o diferente. Ser negro é ser diferente? Os de epiderme clara e cabelo “bom” seriam literalmente brancos em um Brasil tão miscigenado? A esses diríamos, queiram também “afrodescender”, não por modismo, por uma causa vazia, mas por reconhecimento, por respeito e valorização àqueles que constituem, junto com nossos povos nativos, a gene de nossa nosso povo.

Todos da espécie humana são iguais e, portanto deveriam ter o mesmo tratamento. Isso é algo muito repetido, mas que na prática não o vemos. Alguns elementos do cotidiano nos revelam isso, como as diferenças salariais entre negros e brancos, o tratamento das autoridades policiais, a formação acadêmica, o ridículo padrão de beleza, entre outros. Situações contrastantes com o que já dizia Martin Luther King, que afirmava sonhar com um dia em que as pessoas fossem julgadas por sua capacidade e personalidade e não pela cor da de sua pele.

A voz de Zumbi, Luther King, Mandela, ou dos milhares de anônimos ativistas do movimento negro que lutaram e continuam lutando em prol da igualdade entre as pessoas indistintamente à sua cor da pele, precisa continuar ecoando e sendo incorporada em nossas praticas habituais, mediante o respeito, a promoção da igualdade e simplesmente a prática do bem, uma vez que um coração preenchido pelo bem, pelas boas intenções jamais daria espaço ao que tanto discutimos no dia de hoje que é a imbecilidade do racismo (embora só exista uma raça, a humana!).

Viva Zumbi dos Palmares!

Por: Profº Damião



sexta-feira, 3 de novembro de 2017

COMUNIDADES DE CARAÍBAS RECEBEM ELETRIFICAÇÃO, E LOGO APARECE DEPUTADO "TURISTA" TRAZIDO PELO ATUAL PREFEITO QUERENDO SE APROVEITAR DO FEITO DE OLHO EM 2018

Famílias de algumas comunidades de Caraíbas estão cheias de alegria por finalmente verem a chegada da energia elétrica em seus lares, afinal as obras para a eletrificação das comunidades por meio do Programa Luz Para Todos (oriundo dos governos Lula e Dilma) estão em plena execução nas comunidades de Tabua de Leopoldina, Lagoinha e Forno.
Dezenas de famílias finalmente vão poder desfrutar, depois de tanto tempo, da comodidade básica que é o uso da energia elétrica. Para que tal feito pudesse ser concretizado é válido observar o significativo esforço efetuado pelos deputados Waldenor Pereira e José Raimundo Fontes (federal e estadual respectivamente e ambos do PT), que desde sempre lutaram pelas causas e necessidades de nossa gente, tendo os seus mandatos sempre à disposição dos municípios, sem conchavos e sem querer os holofotes eleitoreiros como muitos o fazem. É válido lembrar a luta dos moradores da região integrantes da associação local, bem como o empenho dos vereadores de oposição de Caraíbas que sempre estiveram em busca de melhorias e recursos junto ao governo do estado para nosso município. Assim como noticiamos AQUI, no mês de agosto os vereadores Flávio Meira (PT), Gilberto Dias (PPS), Jura de Vila Mariana (PDT) e Januário Abade (PV), acompanhados do ex-prefeito Luis Carlos Patez, estiveram em audiência com os deputados Waldenor Pereira e José Raimundo e com o superintendente do Programa Luz Para Todos em Salvador.
Sabe-se que, num lapso de oportunismo eleitoreiro e falta de vergonha, certo deputado estadual, apoiado pela gestão do atual prefeito, e que até pouquíssimo tempo não sabia se quer onde ficava o município de Caraíbas e nem tão pouco conhecia nossas comunidades, quis aproveitar-se da proeza para fazer sua pré-campanha. Da mesma forma que um determinado vereador, que hoje está lotado em uma das secretarias do poder executivo também quis a paternidade de tal obra.

Feitos lamentáveis de integrantes de uma gestão que nessas referidas comunidades há pouco tempo atrás, imbuídos dos mais escusos interesses eleitoreiros e de uma perversa marcação, desviava a energia dali para outras localidades.

Embora tenhamos alguns avanços no processo de eletrificação em nossas comunidades cumpre observar que diversas outras comunidades ainda aguardam ansiosamente por isso, é o caso das famílias que residem no Algodão, Cancelas, Vila Tomás, entre outros, além de muitos complementos que precisam ser realizados em diversas localidades.


Parabéns às famílias das comunidades contempladas e a todos os envolvidos de fato na luta e na conquista desse importante feito para a gente de nosso município.

domingo, 15 de outubro de 2017

15 DE OUTUBRO DIA DOS PROFESSORES: UMA BREVE REFLEXÃO

Foi numa longínqua manhã de fevereiro do ano de 1992 que eu adentrei pela primeira vez em uma instituição de ensino na condição de aluno matriculado, pelo portão da Escola Estadual de Primeiro Grau Irmã Iria Kunz da periferia da Cidade de Embu das Artes no estado de São Paulo, o mundo do saber se descortinava à minha frente. Certamente não me continha de tanta ansiedade, haja vista meu desejo enorme aquela altura de também ser estudante, vendo meus irmãos mais velhos todos já o sendo, acreditava que a escola fosse um ambiente encantado de pura diversão e alegria, descobri então que eu não estava totalmente enganado.

Os primeiros rabiscos e em seguida a alegria de aprender a ler e escrever veio pela didática, pelo carinho e zelo da professora Marizane. Na lembrança guardo bem o jeito afetuoso, seu sorriso e seu jaleco, não raramente abarrotado de pó do giz, que com seus traçados ao quadro negro nos trazia os incipientes conhecimentos. Certamente não sabia naquele momento que algum tempo depois eu optaria por exercer a mesma profissão de minha inesquecível professora.

Ao longo de minha trajetória escolar, desde as séries iniciais, ensino fundamental, médio e superior, foram muitos os professores, cada um com sua característica, assim como com sua valiosa contribuição ao meu processo de formação, não somente acadêmico mas principalmente na formação do caráter e de minha cidadania. Sem dúvida que por alguns momentos senti o rigor, a exigência, e por que não a inflexibilidade de alguns, mas na maioria das vezes senti mesmo foi o amparo, o esforço e a alegria que muitos tinham em transmitir os seus conhecimentos. Em todas as situações via sim pessoas dedicadas e comprometidas com aquilo que se propuseram a fazer que fosse muito além de apenas lecionar, mas de serem também referências em nossas vidas.

Por vezes, ao refletir sobre meu período escolar o comparo com os tempos de hoje, a disciplina na época por parte de nós estudantes, a freqüência com que nossos pais compareciam à escola, o estímulo que se tinha para o aprendizado (mesmo diante de tantas dificuldades), enfim, uma série de elementos me leva a crer que no passado a escola  “fluía” melhor. Por que será que nos dias de hoje com tantos recursos, com tantas ferramentas e com tanto mais facilidade de se chegar até a escola, esse processo parece não estar dando tão certo? Resposta um tanto quanto complexa, presunçoso seria de minha parte achar que saberia dar conta de respondê-la em sua totalidade, algo que muitos especialistas teorizam e embora talvez saibam a resposta não tenham encontrado o caminho para solucionar tal questão.  

Já se vão dez anos de sala de aula, agora do lado de cá do processo na condição de professor, algo que escolhi tão convictamente querer ser, quanto convicto sou hoje da importância e da função social inigualável que o meu ofício cumpre. Eu diria que ainda estou principiando nesse processo e encho os olhos ao ver colegas, homens e mulheres, que com heroísmo completam seus vinte cinco ou trinta anos de sala de aula, quanta doação, amor e quanta sabedoria emprestada, merecem nosso reconhecimento.

Falando em reconhecimento, lamentável é ver que já parece clichê, tratar disso, ou melhor, da ausência disso. Parece que se tornou algo até natural ver o professor tão desvalorizado, tão sem reconhecimento. Diante disso temos um problema de ordem política, uma escolha equivocada por parte de quem governa equívoco de simplesmente achar que a educação deve cumprir sua coadjuvância ante as outras coisas que parecem ser mais importantes: as commodities, os números da balança comercial, o caixa dois para a próxima eleição, enfim. Fato é que enquanto não priorizarem a educação, nunca sairemos do que outrora chamavam de “terceiro mundismo”, viveremos sempre na condição de subalternos e nossas futuras gerações serão cada vez mais absorvidas por uma evolução tecnológica sem precedentes, que os dominará alienadamente os distanciando dos livros por exemplo, tudo que alguns facínoras que nos governam querem, uma grande massa passível de ser manobrada.

Todo dia é dia de lembrar-se da figura do professor, da importância dele e da insuperável necessidade de que a educação seja levada mais a sério e seja encarada definitivamente como algo essencial para o presente e para o futuro, e também a única forma de compreender o passado.

PARABÉNS COLEGAS PROFESSORES!


quarta-feira, 11 de outubro de 2017

CATÓLICOS DE CARAÍBAS CELEBRAM COM MUITA FÉ E DEVOÇÃO O TRICENTENÁRIO DA APARIÇÃO DE NOSSA SENHORA APARECIDA, PADROEIRA DO BRASIL

Nesse ano em que o Brasil comemora o tricentenário de aparição da imagem de Nossa Senhora de Aparecida, são muitas as manifestações de devoção, fé e carinho à Padroeira de nosso país.

Em todas as paróquias e dioceses do Brasil a mobilização de preparação para o jubileu dos 300 anos aconteceu por meio da peregrinação da imagem de Nossa Senhora Aparecida. Em nossa Diocese todas as suas 35 Paróquias tiveram a alegria de serem visitadas pela imagem peregrina. Também agora no mês de outubro são várias as homenagens e momentos celebrativos dedicados a Nossa Senhora através de novenários e festejos diversos.

Na Paróquia Santo Antônio de Caraíbas, essa devoção é também algo muito presente. Três comunidades têm como padroeira Nossa Senhora Aparecida. Na cidade todo ano acontece o novenário, e o nesta ocasião que teve início na última quarta-feira (04), a festa é mais do que especial pela passagem do tricentenário. As comunidades dos povoados de Jiboia II e Sítio Mariana iniciaram na última segunda-feira (09/10) seus tríduos em honra e louvor à Nossa Mãe Aparecida.

Foi no ano de 1717 nas águas do rio Paraíba do Sul, interior do estado de São Paulo, que a aparição nas redes de simples pescadores de uma imagem negra, transformou a fé de um povo até receber o título de Padroeira do Brasil.

Nesse ano muito especial voltemos ainda mais a nossa fé e devoção a nossa Mãe e Rainha, pedindo-a suas bênçãos e proteção para nossa gente, e para nossa caminhada.


Nossa Senhora Aparecida Rogai Por Nós! 








terça-feira, 10 de outubro de 2017

ACIDENTE COM ÔNIBUS QUE TRANSPORTAVA SERVIDORES MUNICIPAIS DE CARAÍBAS SUSCITA ALGUMAS REFLEXÕES

Servidores municipais de Caraíbas viveram momentos de pânico na manhã desta terça-feira (10/10).  Segundo relatos dos próprios passageiros o veículo em que estavam perdeu os freios descendo um trecho bastante perigoso e íngreme da BA 262 conhecido como Serra dos Pombos. Alguns funcionários relataram que no momento de desespero alguns deles saltaram do veículo ainda em movimento.
O referido veículo se desloca de Vitória da Conquista para Caraíbas diariamente nas primeiras horas da manhã transportando principalmente servidores das áreas da saúde e educação. Felizmente não houve casos de feridos com maior gravidade.

A prefeitura Municipal de Caraíbas, que tem em seu quadro de servidores um elevadíssimo número de funcionários de fora do município, apenas disse em nota que lamenta o ocorrido, que o referido veículo prestava serviço terceirizado e que o mesmo estava em condições adequadas para tal.

O lamentável e perigoso episódio dessa manhã suscita dois pontos de discussão: O primeiro diz respeito às condições precárias com que alguns veículos, próprios ou terceirizados, têm circulado e prestado serviço à população de Caraíbas. E um segundo ponto converge para a questão dos muitos funcionários de fora que trabalham em nossa cidade não tendo qualquer relação de pertencimento ou mesmo conivência com o município. Certamente muitos dirão que em gestões anteriores, de modo particular a do ex-prefeito Luiz Carlos Patez, a situação era semelhante.  Mas há que se observar que o número dos Caraibenses que prestavam serviço em seu próprio município era muito maior, uma vez que a contratação dos mesmos independia de situação política ou conveniência partidária, em outras palavras, não havia com tanta veemência, como em tempos de agora, a famigerada marcação. E não é por falta de qualificação da mão de obra de nossa gente, muito pelo contrário, funcionários experientes e muito quistos pela sociedade foram demitidos simplesmente por não serem do mesmo grupo político dos que estão “gerindo” nossa cidade.

Paciência!